Por que Violões Fabricados Com Madeiras São Diferentes?

Por que Violões Fabricados Com Madeiras São Diferentes?

Olá, neste artigo vamos falar sobre essa dúvida que é bastante comum entre a galera que curte violão.

Essa questão é bastante complexa e para facilitar o entendimento, faremos uma introdução a essa situação!

Sabemos que a grande maioria dos violões é feita de madeira.  Beleza?! 

Por se tratar de material que compõe a maior parte do instrumento, logo, este material que irá influenciar nas características sonoras, na tocabilidade e em vários outros fatores.

A questão é cada vem de árvores diferentes e mesmo sendo mesma madeira, com mesmo nome,  ela vem de árvores diferentes também.

E o que ocorre é que essas madeiras podem ser cortadas e tratadas de várias maneiras diferentes, resultando em características distintas já na própria árvore.

Cada vez que ela gera uma característica um pouquinho diferente da outra, a diferença no som é imensa, principalmente quando essa madeiras são utilizadas em partes que são muito relevantes  como, por exemplo, o tampo. 

A madeira que é mais densa, ela vai trazer um resultado diferente. A madeira que é menos densa, isto é, se nós pegarmos um pedaço de madeira do mesmo tamanho do outro,  mas um é mais pesado, teremos uma diferença na densidade. Entendeu? 

Então, isso vai alterar a maneira com que o som, a dissipação de energia e o som geral do instrumento irá soar.

Essa é a principal diferença.

Densidade Diferente

Temos também uma diferença de densidade. Em madeiras que são praticamente idênticas, o corte, a forma de cortar, por exemplo, gera um tampo, uma peça diferente, e também vai vibrar de forma diferente.

Se você tem madeiras que são praticamente iguais, cortadas da mesma maneira, mas que, entretanto foram tratadas de métodos distintos, também teremos essa diferença no resultado final do violão.

Se você comparar um violão antigo com um novo, normalmente a madeira do violão antigo, de acordo com os luthiers, eles falam que ela está organizada, bem sequinha e pronta para o uso.

E isso gera um som diferente, por isso que muita gente que ama som de violão mais velho. Comparando com o mesmo violão novo, do mesmo modelo, tudo idêntico com um antigo, que veio da mesma árvore, o quê muda? 

O tampo vai está mais seco e também, depois que ele faz parte do instrumento e você toca, ele vai alterando algumas coisas na própria estrutura da madeira.

Spruce e Mogno

violão de mogno
Violão de Mogno

Agora com madeiras diferentes como, spruce e mogno, temos uma diferença clara que é a seguinte: Nos tampos de spruce temos o som, geralmente, mais articulado, isto é, ouvimos as notas separadas quando tocamos, não tendo a tendência de influenciar umas nas outras. Isso resulta num som mais brilhante!

Claro, isso vale pra um bom spruce e um bom mogno. 

Tem diversos tipos de spruce, então, é isso que eu posso falar.

Não posso dizer que ah, tem muito grave, tem muito agudo, porque varia.  No mogno, normalmente, descrevemos o som como fechado e quente. 

Os violões de blues antigos, são todos fabricados de magno tanto a frente quanto a parte de trás, é bem comuns esse modelo antigo.  E temos aquele som mais fechado  com uma boa articulação,  mas que as notas elas não saltam. 

Não percebemos as notas com tanta clareza.  Então, a grande diferença entre o spruce e mogno nos tampos pode ser descrita assim. 

Voltando no que foi dito no início do artigo, a maneira de tratar a madeira, de cortar a árvore que era mãe desta peça de madeira bem como sua densidade, todos esses fatores irão influenciar completamente no som do instrumento.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.